»

A Estrada de Ferro na Vila de Morro da Fumaça

O ramal de Urussanga - Início em 12.11.1919 e inaugurado em 03.12.1922 - trecho de Esplanada até Urussanga

A partir do ano de 1907, com a descoberta de novas minas de carvão em Urussanga, o Governo decretou a construção de um novo ramal da FTC de Pedras Grandes para Urussanga via Azambuja. Porém surgiram forças políticas exigindo que este ramal fosse feito de Esplanada a Urussanga. Convenceram as autoridades e venceram. Pronto o novo ramal, começou o trem a correr. Daí por diante todo o movimento de Urussanga passou a ser feito via Vila de Morro da Fumaça.   Fonte:  LIVRO - Conhecer para Amar - Professor Antônio Bardini - Pedras Grandes-SC - 06-12-1972.
"O eixo colonial primitivo que, em 1877, havia abrigado, em Azambuja, as primeiras levas de sonhadores imigrantes italianos que, penetrando e subindo o rio Pedras Grandes, derramaram, na então mata virgem, um novo ritmo de vida, de mistura com roupagens de berrante colorido e falas de uma algaravia inédita, a aquele eixo simbólico, teria contado o seu tempo de pujança. Urussanga, instalada depois, guardava em seu solo, sem saber, essa riqueza que, ao tempo, nem os colonizadores pioneiros tinham conhecimento: o carvão.A descoberta posterior de jazidas do mesmo, significariam o anúncio de tempos de "vacas gordas" para toda aquela isolada região. Mas, o carvão somente teria valor escavado e, principalmente, colocado às portas das suas fontes consumidoras. Só poderia subsistir a indústria mineradora à vista garantidora de um transporte regular. A hulha negra, para sobreviver, clamava pelo caminho único e mais acertado, que seria a estrada de ferro demandando aos portos do mar." ( Trecho do livro de Walter Zumblick, "Tereza Cristina – A Ferrovia do Carvão", pág. 120).A construção desse ramal foi autorizada em 1918, pelo Governo e coube a Companhia Brasileira Carbonífera de Araranguá, realizá-lo. Porém, a C.B.C.A. pouco interessava, e, isso é verdade ditada pela lógica, proporcionar facilidades de transporte a uma concorrente sua. Implantar um novo trecho de linha, nas condições previstas, seria trazer para si, embaraços no transporte ferroviário e no embarque marítimo da sua própria produção carvoeira. Com isso, a Companhia Carbonífera de Urussanga – CCU, solicitou ao Tribunal de Contas, a transferência da construção. Assim, o ramal começou a ser construído, pela CCU, em 1919 e foi inaugurado em 7/06/1925. Fonte:
http://www.ftc.com.br Pesquisa de Roque Salvan - 08/2008.

A ESTAÇÃO: A estação de Esplanada foi inaugurada em 1919(?), para servir de entroncamento para o ramal de Urussanga. Há algumas indicações de que no início ela teria se chamado Nova Feltre e também teria tido o nome de Urussanga. O fato é que em 1924 seu nome já era Esplanada, de acordo com mapa da época. Era nessa estação de que começava o ramal de Urussanga, ou seja, um entroncamento. A estação ainda existe em novo prédio.

HISTÓRICO DA LINHA: O ramal, ligando a estação de Esplanada a Cocal (atual estação cocal), via vila de Morro da Fumaça, foi aberto em 1922. Posteriormente prolongou-se a linha até Rio Deserto. O ramal existe até hoje em funcionamento. Os Serviços do ramal férreo de Esplanada à Urussanga via Vila de Morro da Fumaça, foram iniciados em fins de outubro de 1.919. Como serviços preliminares, foram atacados os trabalhos de roçadas e limpeza numa faixa de 30.200 metros por 40 de largura, a construção de abarracamentos para o pessoal dos armazéns e outros serviços de terraplanagem e obras, como sejam os caminhos, estradas para pedreiras, depósitos de madeiras, etc.

 Fonte: História de Urussanga de Mons. Agenor Neves Marques – pesquisa de Roque Salvan.

VANTEIRO MARGOTTI, o homem forte...Vanteiro Margotti, vendeu todo o seu empório para José “Bepi” Guglielmi. Foi embora de Morro da Fumaça. As propriedades maiores de Vanteiro Margotti, eram as da região da Estação e do Colégio Princesa Isabel. A Estrada de Ferro tinha um pique que saia da ESPLANADA, varava o mato existente até a casa do Giocondo Sartor, sempre beirando o Rio Urussanga. Com a política e suborno, conseguiu o atual traçado. Vanteiro Margotti era o comerciante mais forte. Ele era o mandão. Assim as terras do Vanteiro se valorizaram mais. A política já era safada já naquele tempo. O Mérito do Vanteiro Margotti, foi ter conseguido a primeira escola para a Vila de Morro da Fumaça. A primeira escola era alugada. Depois se fez uma colheita entre os colonos, em tábuas, e se fez uma escola grande, na Rua 20 de maio onde hoje é a casa do Sr. Henfrain. Na escola nova a professora era a Sra Idalina de Freitas, esposa do chefe de turma da Estrada de Ferro, o Sr. Abel Freitas.    Fonte: Livro de Claudino Biff, Padre, MORRO DA FUMAÇA E SUA HUMANA E DIVINA COMÉDIA, em entrevista com Teodoro Maccari, em 18-11-1988 - Página 65

PEDRO MACCARI casado com Clementina Nichele Maccari e AGOSTINHO MACCARI, os dois fizeram todas as pontes da estrada de ferro desde a ESPLANADA até URUSSANGA. Nunca uma ponte dessas ruiu.     Fonte: Livro de Claudino Biff, Padre, MORRO DA FUMAÇA E SUA HUMANA E DIVINA COMÉDIA, em entrevista com Mansueto Maccari, em 18-11-1988 - Página 50

SANTA GUGLIELMI ZANATTA. Meu pai (José "Bepi" Guglielmi casado com Esperança Sartor Guglielmi), ia de canoa à Laguna e lá comprava, morin, chita, riscado, algodão, camarão e bacalhau secos. Quando a Estrada de Ferro foi inaugurada, tudo ficou mais fácil. As duas máquinas de trem se chamavam de Sangurú  e  Gaúcha.

fonte: www.morrodafumaca.sc.gov.br

 



    Fone


    O que você espera para o ano de 2018


    Olá já curtiu?